Sobre os processos de projeções. Quem não tem?

Tempo de leitura: 1 minuto

Olá Pessoal, tudo jóia?
Eu vim aqui relembrar vocês hoje a respeito de nossas projeções.

Você já parou pra pensar o quanto determinada característica de suas interfaces te incomoda? Se a resposta é não, recomendaria começar a pensar a respeito, pois qualquer característica que nos incomoda ou nos deixa em uma posição desconfortável, é porque você também tem essa característica, mas ainda pode nem RE-conhecer-se nela.

É como se o outro fosse um espelho de nós mesmos, quando você admira uma determinada característica numa pessoa, sendo amigo(a), parente, namorada(o), você também é dotado de determinada característica, e o mesmo acontece quando não apreciamos também.

Portanto não há ruim/bom; há apenas a concientização em como tornar-se a sua melhor versão.

Se você acha que o outro é ruim, por causa de determinado aspecto de sua personalidade, é porque você também tem, se você admira o outro por determinada característica, então você é merecedor(a) de admirar-se também.

Lembre-se, estamos numa realidade de espelhos, há uma cena no filme “A casa Amaldiçoada” que retrata essa realidade com maestria, onde cada uma de nossas interfaces seria um espelho.

Quando transcendemos o julgamento, os espelhos vão-se e você começa a ver e ter consciência do seu verdadeiro EU.

Portanto, ao invés de julgar o outro, agradeça a ele pela oportunidade de mostrar que você realmente é, por estar ajudando a você reconhecer-se e transcender na sua melhor versão.

Lembre-se que somos todos um nessa realidade. Não há separação, somente unidade, a partir do momento que você começa a enxergar a vida por esse prisma, você transcende a dualidade e desenvolve a compaixão.

Um forte abraço

Denis Mazini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *