Cuidado com seus pais

Tempo de leitura: 2 minutos

Olá pessoal, tudo jóia!

Hoje eu quero compartilhar essa idéia com vocês. Devem estar indagando com o título desse artigo, irei explicar.

Pare pra pensar, nesse minuto, sobre a sua vida. O quanto você está fazendo que é por você ou pelos seus pais?

Ao escolher uma carreira pra seguir, por exemplo, verifique com você mesmo, de onde vem essa motivação. Será que suas escolhas estão de alguma forma sendo influenciado pelos seus pais?

Existem 2 pontos aí: O aconselhamento edificante de nossos pais, que nos encorajam, que nos mostram as opções a seguir da maneira mais assertiva possível — que é saudável, e o outro ponto é a projeção que eles fazem sobre nós, sim, criando diversas expectativas sobre nós, quando ainda somos crianças.

Eu já ouvi diversas vezes em meu relacionamento social, pais dizendo: “ Ahhh esse aqui será médico”, “ Ela será dentista”, “Esse aqui nasceu pra ser engenheiro” e a criança é ainda apenas uma criança.

Não está sendo dado nem a opção de escolha pra esse futuro adulto. Querendo ou não, todas essas informações ficam gravadas em nosso cérebro, na maioria das vezes de forma inconsciente e como queremos sempre buscar o reconhecimento de nossos pais (que é natural), tendemos a não escolher e sim seguir com as escolhas que eles fizeram.

Não estou dizendo aqui, que nossos pais fazem isso por mal, de forma alguma, porque isso vem vindo de geração em geração e ninguém nunca questionou, mas não é porque foi sempre assim, que deve ser daqui pra frente.

Isso é tão interessante, que as vezes os pais projetam nos filhos o que eles não tiveram coragem de fazer, deixando os filhos sem muitas escolhas.

Qual a consequência disso? É o que eu tenho visto em meus atendimentos, profissionais perdidos, sem propósitos, que não sabem o que querem, mas elas sabem também, o que elas não querem.

A sociedade tem formado profissionais, muitas vezes sem paixão no que faz e que invariavelmente são julgados de incompetentes, de baixa performance, mas nunca olharam para os anseios, vontades, desejos, aspirações e nunca olharam também o que de bom tem esse ser humano, o que ele é capaz de fazer e entregar valor.

Se somos diferenciados pelas nossas impressões digitais, porque que temos que ser moldados em alguns padrões tão superficiais?

Portanto, fica aqui pra você que está lendo. Pare pra pensar se você está vivendo uma vida que seus pais quiseram viver e não conseguiram, ou se você está perpetuando uma vida que seus pais escolheram pra você.

Ouça a eles com amor, mas ouça também seu coração, na mesma intensidade e decida a vida que você quer viver.

Pense nisso. Faz sentido?

Um abraço do Denis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *